segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Sombras




Sombras 



Toda a sua vida havia sido marcada pela sede: de conhecimento, de respostas, de conhecer-se para apreender o mundo complexo de fora, mas sobretudo por um profundo anelo por ser melhor do que era.

Ao seu redor ele via a saciedade dos sentidos, da inteligência, via partidas e retornos, percebia os trens chegando, para os outros, lotados de conhecidos que traziam abraços e fotos de lugares distantes; mas trem algum chegou para ele. Via-se pequeno e ordinário aguardando na estação pelo vagão que traria finalmente a experiência suprema, a aurora mística, a angelitude em vida...

A mochila nas costas, por mais leve que quisesse levar, pesava sempre. Era uma longa jornada tentando desfazer-se de falhas e defeitos, arredondando-se a cada baque da vida, como um seixo que rola agitado por um rio frenético e ao bater no fundo e nas margens perde algumas partículas por vez. Mas era tão pouco para quem almejava tanto...Desejava um futuro não muito distante distribuindo uma luz sem lacunas de sombra, uma bondade sem mácula, uma fraternidade sem cobranças.

Mas entre todas as falhas que ainda tinha por burilar, uma lhe era a mais dolorida: a falta de uma profunda empatia pelo semelhante, essa privação de sentir vontade de chorar quando outro chora, de rir ao perceber o riso, de cantar junto com quem canta – o pior dos defeitos, a suprema carência, em sua forma de ver, e que por mais que se esforçasse não lograva sentir. Queria a perfeição agora, como a criança que sabe do presente escondido há meses no armário não quer esperar pelo natal. Sentia-se pequeno demais enquanto não fosse extremamente grande, sujo demais enquanto não estivesse imaculadamente limpo. Existir como um simples ser humano cheio de falhas doía-lhe.

Foi numa de suas andanças entre as ruelas da parte marginalizada da cidade, tentando sentir a compaixão pungente que sempre buscara, que viu a moça baleada sobre uma poça de sangue. Ao seu lado, pessoas chorosas e desesperadas, e um rapaz que inclinado sobre ela tentava desesperadamente lhe prestar os primeiros socorros e impedir que a vida escoasse com cada uma das gotas que avermelhavam o chão batido. “Preciso de ajuda”, ele falou olhando ao redor em desespero; “Ela tem uma artéria rompida, necessito que alguém faça compressas sobre a hemorragia enquanto eu a reanimo ou ela morrerá...” Com um esgar de horror, as compungidas pessoas que o circundavam instintivamente se afastaram...Não conseguiam cogitar em tocar aquelas carnes dilaceradas e pulsantes, entreolhando-se chocados.

Mas ele agachou-se, pegou a toalha que o socorrista apontava e pressionou o local sanguinolento sem problemas. Assim, ao lado dela, percorreu o caminho todo até o hospital. Quando a maca desapareceu no longo corredor batido pelas cruas luzes brancas, virou as costas para ir, voltando sobre os próprios passos. Quase não notou o rapaz a quem ajudara, que ao passar por ele, disse baixinho: “se não fosse sua serenidade e presença de espírito, talvez minha irmã estivesse morta...Obrigado.”

Bíndi

Imagem: earthporm.com

Música: Sabrina Carpenter - Shadows



16 comentários:

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Um texto para ler,reler e compreender.
Bem reflexivo Bindi!
Bjs e uma feliz semana.
Carmen Lúcia.

Elisabete disse...

Este texto é lindo.
Um gesto altruísta.
Um abraço.

Maria Adeladia disse...

Belos escritos.Uma linda e abençoada semana!!

Guaraciaba Perides disse...

um conto bem interessante e através do qual podemos fazer algumas ilações...entre tantas outras a que mais me chamou atenção foi que a emoção sem ação efetiva às vezes não resolve e muitas vezes é justamente o pulso firme e serenidade que conduz a ação salvadora.
Um abraço

Arco-Íris de Frida disse...

Texto que nos prende, a medida que fui lendo, fui me arrepiando, e no final onde ele encontra o que tanto procurava que era a empatia, ao sentir o desespero do rapaz e o ajudar... foi perfeito...

Beijos aos dois...

Pepi,Xixo,Juja,Jujuba disse...

Boa tarde, queridos amigos
Lindo conto que nos leva a refletir.
Gostei demais de ler.
Um grande abraço e o meu carinho.
Verena e Bichinhos.

Patrícia Pinna disse...

Boa tarde, Bindi. Muito lindo e profundo o seu conto.
Muitas pessoas vivem assim, em busca de respostas que nem t possuem.
A vida segue e com ela as transformações necessárias.
A empatia é fundamental para um bom convívio com o outro, sobretudo, conosco.
Parabéns.
Muito bem escrito.
Tudo de bom.
Beijos na alma.

Luiza Maciel Nogueira disse...

Contamos muitas vezes com essas belas almas que passam por nós e deixam algo de especial pra toda vida. Um abraço!

Zilani Célia disse...

Oi BINdi!
São momentos assim, de extremo stress que muitas vezes nos reconectam com as coisas da vida, mesmo as trágicas como no teu conto.
Agora falando sobre teu texto, tão bem escrito e com conteúdo interessantíssimo fazendo com que eu ficasse sem piscar até finalizar a leitura. Bom, se pesquei nem notei de tão presa que fiquei a teus escritos.
Abrçs

Jossara Bes disse...

Bíndi e Ghost,

Queridos amigos, que belo conto!
Não basta ter bons pensamentos, precisamos de atitudes!
As vezes a vida nos prega peças, por assim dizer, situações que requerem tomadas de atitude imediatas!
Desejo uma linda semana!
Beijo carinhoso!

Bandys disse...

Alou amigos,
Adoro vir aqui. As energias do bem sempre ficam com gostinho de quero mais. Com o tempo a gente aprende atravessar os desertos sem molhar os olhos. Apenas agradecendo a Deus pela luz que ele manda. E a cada dia vamos construindo historias de amor.
Boa semana proces.
Beijos

Gil António disse...

Visitando,. lendo e deixando uma palavra de apreço. Gostei muito de ler o texto
.
Hoje
Límpidas Gotas de Amor em execução de Carência.
.
Deixando um abraço poético.
Uma terça feira muito feliz. Boa tarde.
.

Pepi,Xixo,Juja,Jujuba disse...

Boa tarde, queridos amigos.
Venho aqui agradecer a gentil visitinha.
Desejo um Feliz e Abençoado Natal para ambos.
Um abraço apertado e o meu carinho.
Verena e Bichinhos.

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Belo texto e eis a frieza
Que a maioria não tem,
Talvez como eu também
Muitos são de alma presa

No sentido da fraqueza
De si. Não tentam ir além.
O importante é o bem
Ser feito. Ter a alma acesa

Ao próximo, qual quem se vê
Não do acaso à mercê,
Mas da determinação

De ajudar quem precisa,
Tirando a própria camisa
Para aquecer um cristão.

Belíssimo texto! Parabéns! Abraços. Laerte.

Gil António disse...

Passando para desejar um Natal Feliz
.
Hoje
*** NATAL - OS DEGRAUS DA NUA ESSÊNCIA ***
.
Deixando um abraço amigo.
Boa tarde

POESIAS SENSUAIS E CONTOS disse...

Uma linda tarde. Passando para desejar a você BOAS FESTAS e agradecer por mais um ano. Paz, felicidade e muito amor...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...